SP-078

Image-empty-state.png

45-60 min

6 ao 9 ano

Iniciante

Irradiações adaptativas nos vertebrados

Nesta aula, diferentes estruturas de locomoção serão elaboradas e associadas às irradiações adaptativas dos vertebrados serão simuladas e testadas em diferentes locais com peças do LEGO SPIKE Prime.

Aula criada por:

Alan Bonner da Silva Costa

Suporte ao Professor

Objetivos da Aula

Nesta aula, os alunos terão como objetivo criar diferentes apêndices locomotores para seus robôs com base no modelo da pulga, e associá-los as adaptações voltadas para a locomoção de alguns vertebrados aos diferentes ambientes que eles vivem. Outro objetivo é provocar os estudantes a criar cenários que os façam interpretar o contexto do surgimento de cada uma dessas características, com base na teoria darwinista da evolução e o conceito de seleção natural.

Preparar

Será necessário deixar as caixas do kit LEGO SPIKE Prime prontas e separar o local que será utilizado para testar o robô se locomover. Também é necessário um cronômetro ou relógio para medir o tempo que o robô levou para se locomover, uma fita métrica ou régua para medir a distância de um metro, que será a distância padrão (1 metro) para testar a eficiência dos apêndices locomotores em todos os casos.

Material do Aluno

- Conjunto SPIKE™ Prime LEGO® Education;

- Computador com aplicativo de programação do SPIKE instalado;

-Lápis e papel para anotar quanto tempo demorou a locomoção do robô em cada situação.

Image-empty-state.png

Envolver

  • O que morcegos, baleias e seres humanos tem em comum? O que explica essas semelhanças?
  • E porque apesar dessas semelhanças, esses seres sobrevivem em habitats tão diferentes (mares, cavernas, florestas, cidades...)? Quais características permitem isso?

--

Image-empty-state.png

Explorar

É hora de botar a mão na massa! Deve-se dividir a turma em grupos de 3 alunos. Eles deverão construir um robô com base na atividade “Corrida de Pulga” do SPIKE Prime e 3 tipos de apêndices para locomoção (um deles pode ser a própria “perna” da pulga do modelo). Estimule-os a usar da criatividade e tentar simular estruturas que existem nos animais (patas de equinos, nadadeiras de tartarugas, pés humanos, ventosas de anuros e aves, etc.). Para cada apêndice colocado, deve-se colocar o robô para se locomover pela distância de um metro e medir o tempo gasto para que esse deslocamento fosse feito nos dois tipos de solo (areia e concreto). Depois disso, os resultados devem ser tabelados e comparados, para se identificar qual apêndice fez o robô se mover mais rápido em cada tipo de solo.

--

Image-empty-state.png

Explicar

Os alunos deverão apresentar os apêndices criados, em quais animais eles se inspiraram para a construção de cada um, a programação realizada para a locomoção e os resultados obtidos na tabela.

--

Image-empty-state.png

Elaborar

Com base nos testes feitos, devem-se criar hipóteses que expliquem por que alguns apêndices são mais rápidos e outros mais lentos nos diferentes pisos. Depois, deve-se fazer uma associação entre os apêndices desses robôs e os ambientes que eles foram mais eficientes com as estruturas locomotoras dos animais vertebrados e os locais que eles vivem e criar hipóteses para o surgimento dessas características nesses ambientes. Os alunos precisam concluir que os vertebrados ocuparam diferentes ambientes ao longo da história e que as características que eram mais propícias para a sobrevivência nesses ambientes foram se mantendo, e aquelas que não eram foram sendo eliminadas pela morte dos seus portadores.

--

Avaliar

A avaliação deve ser feita analisando a forma que os alunos trabalharam em equipe, a montagem do robô e dos apêndices, a eficiência da programação, se os testes seguiram os requisitos (distância, pisos e medição do tempo), a precisão e condução da apresentação dos resultados e a elaboração das hipóteses sobre a eficiência dos apêndices em cada ambiente e sua associação com as estruturas locomotoras dos seres vivos.

--

Dicas para o professor

Diferenciar